Hora Certa
Últimos assuntos
» Um Natal mais simples
Sab 12 Dez 2015 - 19:25 por Sonia Momoi

» Retorno
Dom 4 Out 2015 - 10:30 por Rose.rslam

» Caixas para a secretária da mamã
Sab 3 Out 2015 - 17:50 por Luna Bijoux

» Mudanças em casa
Sex 11 Set 2015 - 19:12 por Maria Jose zanin

» Como fertilizar uma terra que já não dá «chão para uvas».
Qui 10 Set 2015 - 9:25 por Rose.rslam

» Olá
Qui 10 Set 2015 - 9:07 por Rose.rslam

» Ideia criativa para uma varanda
Qua 9 Set 2015 - 21:01 por Beatrizz_20665

» Os meus jardins em casa
Qua 10 Jun 2015 - 23:03 por Rose.rslam

» Cozinhando com o Sol - Parte 2
Qua 10 Jun 2015 - 22:54 por Rose.rslam

Palavras chave

Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Julho 2017
SegTerQuaQuiSexSabDom
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Parceiros
Fórum grátis


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Hildegarda de Bingen, a Santa Mística

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 Hildegarda de Bingen, a Santa Mística em Dom 9 Fev 2014 - 13:14

Nada melhor para começar este tópico dedicado a plantas nas suas várias vertentes, a beleza, a alimentação, a medicina,etc, do que lembrarmos uma das figuras históricas que mais as amou, cultivou e desvendou as suas propriedades:

Hildegarda de Bingen, a Santa Mística.


Hildegarda nasceu por volta de 1098 e foi a filha mais nova de um casal nobre, com muitos filhos (a décima). Era frágil, de constituição delicada mas anormalmente inteligente. Começou a falar e a andar muito cedo e a ter estranhas visões desde os três anos e os seus pais perceberam que tinham uma criança muito singular, diferente das outras. Quando chegou aos oito anos a sua família enviou-a para o convento de Disibondenberg, na Alemanha, onde ficou ao cuidado de Jutta, uma abadessa muito proeminente na região. Começa, então, uma vida de Milagres, de Visões Místicas e de Conhecimento.
Hildegarda aprendeu com Jutta a ler e a escrever em Latim, a compreender a Medicina e a aperfeiçoar as artes da Música. Partilhou com ela várias visões, já que a própria Jutta era uma mística respeitadíssima, com uma congregação de devotos que a idolatrava e considerava a sua palavra como «Lei». Quando esta morreu em 1136, Hildegarda tinha já uma fama tal que havia multidões a juntar-se à porta do convento para a ouvir falar e pregar as mensagens que recebia de Deus. Por volta de 1147, 1148, mudou-se para Ruperstberg, na região de Bingen e fundou um convento com mais dezoito irmãs. As sua biografias relatam a história de uma mulher frágil, que estava quase sempre doente a ponto de não conseguir quase andar ou verdurante certas crises maiores. Hildegarda tentava fugir à dor lendo tudo o que podia, rezando, e alimentando a sua constante fome de Saber e Conhecimento. Acabou, por isso mesmo, por se transformar numa criadora de novos conhecimentos, que foram transmitidos pelas gerações posteriores.
Muitos estudiosos vêm nela uma espécie de «DaVinci de saias». Ela dominou vários campos do Saber. Foi uma grande compositora, o Mozart do seu tempo, pintava muito bem, dentro do estilo da Arte Medieval (a ilustração de cima é dela), escreveu livros de Teologia, onde descrevia as suas visões e interpretava as Sagradas Escrituras.
Um dos ramos que a tornou famosa foi o da Medicina. Sabe-se que escreveu dois tratados sobre Medicina e História Natural, O Livro da Medicina Simples e O Livro da Medicina Composta por volta de 1115 e 1161. Infelizmente o que chegou até nós são cópias posteriores, muitas vezes adulteradas. São muitas vezes conhecidos pelos títulos em latim Physica e Causae et Curae. Os seus seguidores chamavam à sua Arte de Curar a «Física Hildegardiana».
A Medicina Hildegardiana é essencialmente holística ou seja, à boa maneira medieval, integrava as ervas com os cristais, os metais e a Oração e tinha como função integrar a saúde de uma pessoa com a hamonia do Universo. No entanto ela tinha uma perspicácia muito invulgar para o seu tempo. Por exemplo, numa época em que a carne era considerada o melhor alimento e os legumes eram vistos como nefastos, ela já criticava o excesso de carne e aconselhava uma dieta feita à base de vegetais, gramíneas, peixe e marisco e pouca carne. Hoje este tipo de alimentação é recomendada pelos médicos modernos.
Hildegarda tinha uma forma muito peculiar de ver o mundo e o Universo. Por exemplo, ela acreditava na existência de uma grande força cósmica à qual chamava viriditas (Poder Verde). Este vinha de Deus e manifestava-se através do Sol, das pedras preciosas e das plantas. Essa Força circulava por todo o lado, como um sopro de Vida e dava energia a todas as criaturas. 




Por isso a Esmeralda era a sua pedra favorita, porque era verde e, por causa da sua essência concentrada de viriditas podia ser usada para tratar as pessoas cansadas e sem energia.
Hildegarda tinha um vasto jardim e Horta no seu convento. Ela cultivava, colhia e fornecia toda a região de Bingen com os seus remédios. A sua Medicina, altamente popular entre o povo, foi continuada e seguida durante séculos! Eis alguns dos grandes contributos que ela ofereceu à Ciência. Testes realizados nos nossos tempos comprovam a eficácia da maioria destes remédios.

DORES DE CABEÇA – Hildegarda preparava uma receita à base de Aloé, Mirra e óleo e Papoila, misturadas em farinha. As pequenas bolinhas feitas com essa mistura eram verdadeiros comprimidos e, segundo testes que se fizeram depois, até funcionam!


A Papoila cor-de-rosa é uma planta da qual se extrai o Ópio e a Morfina, largamente utilizadas para o tratamento da Dor.

PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS
Endro – Juntamente usada com Arruda podia ser usada para tosses e problemas respiratórios.
Lavanda – Usada com vinho ou simplesmente misturada com água e mel é excelente para tratar dos pulmões ou dores de rins.

TRATAMENTO PARA MALEITAS DA MENTE 
Betónica – O uso das suas folhas são recomendados para quem tem «maus sonhos». Colocam-se folhas ao lado da cabeceira, frescas ou queimadas à noite e o doente dorme melhor

Betónica 

Mandrágora – Usada em pequenas quantidades pode acalmar as pessoas nervosas.
Tanaceto – Uma tisana servia para acalmar o stress.



Espelta – Nós chamos a essa receita «Muesli», ela baptizou-a com outro nome: «Fazedor de Felicidade». Encher um prato ao pequeno-almoço de manhã com pedaços de frutas do campo juntamente com a espelta é eficaz para quem sofre de depressão. Aliás, a Espelta era muito amada por ela. Usava-a para quase todos os remédios. Espelta é uma variedade primitiva de trigo.


Castanha – Qualquer alimentação que inclua diariamente este produto é excelente para dar energia ao cérebro e acalmar os nervos.

CORAÇÃO -
Alpinia Galanga – Da família do gengibre, era muito útil para o tratamento da exaustão e tontura. Hildegarda usava-a em pequenas porções para tratar do coração. Um pedacinho colocado na boca consegue ser tão eficaz quanto os actuais pensos de Nitroglicerina.





Gentiana – Muito útil para as dores de coração repentinas.


OLHOS -
Erva-doce – É sempre adequada para os olhos secos e baços, mesmo quando usada isoladamente. No entanto o colírio à base de Rosas, Violetas e Erva-Doce faz maravilhas aos olhos que estiveram expostos ao pó.





Vinho rico em Zinco – É um excelente remédio para as cataratas, conjuntivites, olhos irritados e nublados. Nos dias de hoje este metal é largamente utilizado na confecção de loções e colírios para quem sofre destes problemas.
Arruda – Hildegarda apercebeu-se que as pessoas com olhos negros têm tendência a ter problemas de visão como, por exemplo, Visão Desemparelhada ou Glaucomas. Para estes casos aconselhou uma loção para os olhos à base de Arruda, Mel (o dobro da porção de Arruda) e um pouco de vinho e esfregar com essa produto os olhos antes de dormir. Um sumo feito à base de Arruda pode ser usado como colírio.





Orvalhos de vinha – O orvalho que caía, todas as manhãs das vinhas era apanhado em recipientes. Agumas gotas eram suficientes para tratar as Cataratas no seu início.

É claro que a sua Medicina não era totalmente racional. Ela incluía rituais, preces e fórmulas mágicas (não no sentido da bruxaria). As ervas eram recolhidas em determinadas horas da manhã ou noite, em determinados dias do Calendário Cristão, em determinadas quantidades segundo a Numerologia (3, número da Trindade; 7, número de Deus, etc...) e eram fabricadas com procedimentos ritualísticos muito elaborados. Era uma mulher do seu tempo. De qualquer forma, ela acreditava que só Deus seria capaz de curar. Só Ele teria a última palavra em matéria de cura.


Por curiosidade, e em homenagen à fantástica Hildegard, deixo aqui um pequeno excerto musical de sua autoria, já que a Música foi uma Arte amada e seguida por ela.


(Imagens extraídas da Internet)




_________________
Obrigada FazendeiroGeorge
Ver perfil do usuário

2 Re: Hildegarda de Bingen, a Santa Mística em Seg 10 Fev 2014 - 22:32

Sónia, mas que interessante, olha não sabia que as plantas podem ter tantos efeitos medicinais, fiquei surpreendida com a espelta e a capacidade desta planta curar depressões, aliás espelta só conhecia do jogo farmerama, porque acho que nunca vi nenhuma planta dessas.

Hildegard foi uma mulher interessante e cheia de mistérios.

Gostei imenso.

bjinho.


_________________

Um beijo Luna
Ver perfil do usuário

3 Re: Hildegarda de Bingen, a Santa Mística em Ter 11 Fev 2014 - 14:03


Sónia querida, adorei seu post!
Muito interessante tudo o que disse sobre Hildegarda, eu desconhecia ela rsrs


Mas algumas coisas do post já me era bem conhecidas e por isso vou destacar a Arruda: desde que me conheço por gente essa planta é usada pela minha família rsrs
Qualquer irritação que tínhamos nos olhos, conjuntivite, secreções que nos faziam acordar com os olhos colados....tudo tudo era tratado com chá bem forte de arruda.
Lembro que minha mão deixava um vidrinho com chá de arruda e alguns galhinhos dentro na geladeira e fazíamos o "tratamento" rsrs
Ainda hoje temos arruda plantado no jardim.


Uma curiosidade: dizem que o Arruda espanta mau olhado, olho gordo e inveja e já vi muitas pessoas andarem com um raminho de Arruda atrás da orelha kkkk


Curiosamente eu não sabia que a morfina vinha da papoula rosa   Embarassed   e olhe que já usei morfina rsrsrs


Todas as demais plantas citadas no seu post me chamaram muito a atenção para suas propriedades e emprego em alguns males, muito interessante mesmo.


Muito obrigada Sónia por nos dar a conhecer e apresentou de uma maneira muito gostosa de se ler Wink]

beijinhos


_________________
Ver perfil do usuário

4 Obrigada em Seg 17 Fev 2014 - 18:20

Obrigada pelo vosso feedback. Fico feliz por saber que enriqueci a vossa cultura geral com a meu pequeno artigo. Beijinhos.


_________________
Obrigada FazendeiroGeorge
Ver perfil do usuário

Conteúdo patrocinado


Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum